Jul 10, 2010
39 Views
0 0

E assim perdemos a Copa

Written by

 

Não sou a pessoa mais fanática por futebol e exatamente por isso resolvi esperar um pouco para escrever este artigo. Sabe como é, deixar passar o calor do momento. 🙂
Mas, como não tem como não se envolver na Copa do Mundo quando, até as empresas privadas, te mandam pra casa para assistir o jogo, resolvi dar a minha opinião. Lembro que nem a final do Superball norte-americano tem tanto prestígio lá nos EUA quanto um jogo de futebol no Brasil. Este é o país do futebol (e da pizza).
Mas voltando ao foco do artigo – a derrota do Brasil na Copa 2010 explico que, como os 200 milhões de brasileiros, não sou técnico de futebol e minhas opiniões serão baseadas em pura e simples observação dos fatos.
Tudo começou quando Ricardo Teixeira, o Darth Vader, o Imperador da CBF (nem os reis ficavam 21 anos no poder) resolve escolher um dos anões da Branca de Neve – Dunga – como técnico da seleção brasileira após a derrota vergonhosa para a França, em 2006, na qual os jogadores brasileiros jogavam com os amigos e não estavam nem aí para o jogo. Em destaque neste episódio está Ronaldinho Gaúcho, que após a derrota foi curtir uma balada com os amigos espanhóis. Era uma seleção de “mascarados”, a maioria jogando na Europa e buscando apenas os holofotes da Copa para promoção e busca de novos patrocinadores, sem qualquer comprometimento com o país e com a importância que o resultado do jogo teria para o alienado povo brasileiro.
COMPROMETIMENTO – esta palavrinha faz milagres. Foi após a derrota para a França de Zidane que Parreira e toda a comissão técnica foi destituída sob o pretexto de “falta de comprometimento”. “Temos que buscar renovação” afirmou Darth Teixeira para justificar a escolha de Carlos Caetano Bledorn Verri, vulgarmente conhecido como Dunga, como técnico da seleção brasileira de futebol, apesar do referido ex-jogador e capitão da seleção de 1994 não ter qualquer experiência como treinador. Jogos sem muita expressão, empates, derrotas e aos poucos fomos nos acostumando com a imagem de Dunga, ou seria Zangado?

Eliminatórias, Confederações, amistosos, todos com resultados inexpressivos e vitórias que não convenciam. Mas assim caminhou a seleção brasileira até a data da convocação final.
Sei que todo brasileiro tem um técnico dentro de si, mas a escolha foi uma decisão pessoal do treinador, baseada sabe em que? COMPROMETIMENTO. Todos os escolhidos foram aqueles que mais demonstraram sua paixão e orgulho por vestir a camisa da seleção brasileira, embora não estivessem em sua melhor forma física e nos bancos de reserva de vários times pelo mundo. Mas, ao contrário de 2006, estavam todos comprometidos, dentre eles Grafite, que jogava em algum time desconhecido da Europa, mas que se emocionou ao ser convocado e vestir a camisa da seleção – motivo mais que suficiente para ser convocado. Se não percebeu, estou sendo irônico. 🙂
Eis que chega o momento da estréia na Copa do Mundo contra uma das mais fracas seleções do mundial: a Coréia do Norte. Não vou me ater aos resultados. Afinal, todos assistiram o jogo e sabem melhor que eu como foi a peleja. Mas não se aflijam: temos a melhor defesa do mundo. Pena que o placar não seja sobre ataques defendidos, mas sim sobre o gol. Gol. Isso mesmo. É quando um time ataca e faz a bola passar pela região do espaço interna daquele retângulo que fica no fundo do campo – a trave.  Atacado pela imprensa brasileira desde a convocação, Dunga opta pela saída mais simples: “Sem comentários”. Treinos fechados para a imprensa e entrevistas com jogadores limitadas às obrigatórias promovidas pela FIFA. Dessa forma, ele comprou briga com a Rede Globo e com as outras emissoras do país que não tinham o que mostrar em suas matérias. Agora se perdesse, seria guilhotinado em praça pública no Brasil. Até o Faustão, em sua discrição peculiar, o chamou de incompetente ao vivo em rede nacional. E enquanto todos esculhambam Dunga, Ricardo Vader foi se mantendo na CBF, longe dos holofotes que agora estão no nosso anão.

O que eu gostaria de deixar claro é que TODOS OS OUTROS PAÍSES DO MUNDIAL LEVARAM SUAS SELEÇÕES* ENQUANTO O BRASIL LEVOU UM TIME..
*SELEÇÃO: s.f. Ato ou efeito de escolher ou selecionar; escolha feita a partir de critérios e objetivos bem definidos: seleção de candidatos. / Escolha natural ou predeterminada de animais ou vegetais com vistas à reprodução. // Seleção natural, sobrevivência de certas espécies animais ou vegetais que melhor se adaptam às condições ambientais dadas, em detrimento das espécies menos aptas: a teoria da seleção natural foi uma das descobertas de Darwin. / Bras. Futebol. Conjunto de dos melhores jogadores de vários times reunidos num escrete; selecionado, combinado.

Dicionário Aurélio

Isso mesmo. Os outros países levaram o que tinham de melhor e nós, brasileiros, levamos os mais comprometidos – os amigos do Dunga, deixando de fora os jovens destaques em nosso campeonato nacional que, em um futuro próximo, estarão jogando na Europa e voltarão “bichados”. E foi a seleção dos mais velhos também, pois era a seleção dona da maior média de idade entre as 32 que disputam a Copa do Mundo: 28.6 anos. Se observarmos as quatro melhores seleções do mundial temos Uruguay(26.7), Alemanha (25), Holanda(27.7) e Espanha(25.9) podemos tirar algumas conclusões importantes. A experiência é importante, mas não é fundamental, pois compromete o condicionamento físico do atleta, bem como sua velocidade e tempo de resposta, mas não o comprometimento. Afinal, eles “dariam o sangue”, pois seria a última Copa para a maioria. Ops, pro técnico também. 🙂 Dunga agora pode, finalmente, cantar sua canção favorita “Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou…”

A Espanha é a seleção que mais tempo de posse de bola tem no mundial. Qual o motivo? O técnico acredita que, para sofrer um gol a seleção adversária tem que chutar. Assim, se ele mantém a posse de bola o outro time não pode chutar, mas ele pode fazer várias tentativas, até que uma delas finalmente atinja o objetivo do jogo: marcar gols. Ele é um gênio! Como nós, brasileiros, na pessoa de nosso polêmico técnico não pensamos nisso? Deve ser porque é um raciocínio muito complexo, digno, vejamos, de um professor de Matemática. É isso. Este é o segredo da Espanha – eles têm um professor de Matemática na comissão técnica. 🙂

Tenha dó. Todas as seleções que partiram para o ataque na Copa tiveram êxito e todas as que, ao fazererem o primeiro gol, se fecharam na defesa sofreram um revés, dentre elas a favorita Alemanha, que se deixou abalar pelas previsões de Paul – o polvo vidente – e resolveu jogar diferente. Resultado? Perdeu feio.  Ainda assim, alguns brasileiros ficaram felizes, pois a Alemanha seria tetracampeã agora e se aproximaria do Brasil, enquanto Espanha e Holanda nunca ganharam um mundial.

Agora, a parte séria. Me preocupa muito a Copa de 2014 pelo que ela vai fazer com o Brasil. Quanto dinheiro será desviado nessas obras de centenas de milhões de reais? São Paulo vai enrolar até que seja possível a dispensa de licitação para a construção e reforma do estádio para que as empreiteiras possam lucrar depois de tirar $$$ da propina.  A ultima de Ricardo Vader foi dizer que definitivamente não terá jogo de Copa do Mundo no Morumbi e que ele estaria já planejando a construção de um novo estádio para sediar a abertura e alguns outros jogos do Mundial de 2014. Isso está parecendo mais uma “birra” de Ricardo Teixeira com o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, que na eleição para a presidência do Clube dos 13, apoiou o candidato Fábio Koff, que saiu vencedor da eleição. Ricardo Teixeira poderia se preocupar em reformar os estádios que já existem, para quem sabe um dia o futebol brasileiro possa ser visto como um futebol de primeira classe. Ele tem que ver os estádios que estão caindo aos pedaços pelo Brasil, onde pessoas morrem quando estão assistindo o jogo por causa de uma arquibancada que estava mau acabada, arrumar os gramados que são um risco a integridade física do atleta e principalmente dar toda infraestrutura para o torcedor poder assistir os jogos com conforto e segurança.

Darth Ricardo Vader Teixeira

Agora, imagina um megaestádio em Natal, onde eles nem conseguem encher o que existe lá na final do campeonato estadual. E em Manaus? Em Brasília? Em Cuiabá? Serão enormes elefantes brancos após a Copa. O benefício que vejo está relacionado ao setor de transportes, em especial os aeroportos, que são uma exigência da FIFA. Mas em época de renovação, alguém pode me dizer por que NINGUÉM, inclusive a Rede Gobo, falou em renovar a CBF, antes que Darth Ricardo Vader Teixeira seja um multibilionário (multimilionário ele já é)? Como pode alguém ficar tanto tempo a frente da CBF sem que ningúem questione sua gestão? Alguém sabe qual é o faturamento anual da CBF? A entidade passou a ter 10 patrocinadores em 2010 que, ao todo, resultam numa receita de cerca de R$ 220 milhões anuais. Você sabia que, apesar de ser a Confederação BRASILEIRA de Futebol, trata-se de uma instituição PRIVADA que, apesar de exercer influência em todos os setores desportivos do país não está subordinada a nenhum orgão do Poder Executivo, como o Ministério do Esporte? É por essas e outras que acredito que, além do país do futebol , somos o país da pizza. Tenho dito.

[poll id=”13″]

Article Categories:
Esporte

Comments to E assim perdemos a Copa

  • Cara se é de mais gostei dessa opinião parabens

    Delanney August 2, 2010 6:37 pm Reply

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *