Dec 1, 2007
126 Views
0 0

Referendo na Venezuela

Written by
[photopress:charge_grd_381_1.jpg,full,centered]

Para os que ainda não acreditam que este populistazinho nazista metido a socialista está completamente louco, aqui vão algumas frases retiradas de seu discurso em sua última aparição pública. A começar pelo “Socialismo do Século XXI”. Alguém poderia me dizer o que é isso? Pra mim é como defender a volta do Opala :), já que o Fusca já tentaram reviver.

  • “Se a Operación Tenaza for efetivada no domingo, na segunda-feira não haverá uma gota de petróleo da Venezuela nos Estados Unidos”
  • Ele acredita em uma conspiração feita pela CIA para desestabilizar seu governo.

  • “Se, no domingo, ganhar o Sim, como tudo indica, e aqui, a oligarquia e os piti-yanquis apelarem para a violência, se quiserem nosso petróleo terão de passar 100 anos de guerra na Venezuela”
  • Não pode haver nenhuma manifestação de descontentamento, todos devem ficar felizes com sua vitória.

  • “Até que o Rei de Espanha peça desculpas, por que o Rei de Espanha me agrediu, não há nada a fazer (…) As empresas espanholas, tenho uma lista, compraram uns bancos, vamos nacionalizá-los novamente para colocá-los a serviço dos venezuelanos…”
  • As grandes empresas espanholas – Telefônica, Santander, BBVA, Repsol, etc. – constituem o último grupo de grandes empresas estrangeiras que ainda não abandonaram a Venezuela e que continuam a realizar investimentos neste país. O governo de Zapatero tem sido ainda um recurso de legitimidade que tem mantido abertas as portas da Europa para Chávez.
    As empresas espanholas deveriam simplesmente deixar a Venezuela voluntariamente, pois não existe nenhuma segurança comercial ou institucional no país depois dessa afirmação. Como investir em um país no qual a segurança e as garantias são a palavra de um lunático?

  • “Se algum meio de comunicação internacional, e já conheço seus planos, tentar desestabilizar o país, seus correspondentes serão expulsos”…”Eles dizem que depois do meio-dia (de domingo) já terão alguns resultados e que vão cumprir com sua responsabilidade de manter informados o mundo e a opinião pública”… “Se fizerem isto, vou cumprir a lei e tirá-los do ar de imediato, estou avisando a qualquer canal ou meio de comunicação que violar a lei”
  • Para quem não entendeu, tentar dar alguma notícia contrária a vitória esmagadora do SIM é uma tentativa de desestabilização. Pesquisas de opinião pública são terminantemente proibidas.

  • “Se o povo venezuelano decidir que governarei até o ano de 2050, até o ano de 2050 governarei (…) Os que votarem no Sim estarão votando em Chávez”
  • Essa dispensa comentários…

  • “Acredito que a revolução possa estar bem madura (em 2020) para que possa entregar a presidência a outro revolucionário ou revolucionária para seguir construindo o socialismo do século XXI”
  • Revolucionário? Tá maluco? Ditador, Déspota, Fascista agora são sinônimos de revolucionário? Socialismo do Século XXI? Nem a Rússia, que o inventou, acredita mais nele nele. Em um mundo globalizado e inter-dependente não existe espaço para o modelo socialista defendido por ele, que sabe o que é melhor para a Venezuela. Em todo o mundo apenas China, Córeia do Norte, Cuba, Líbia, Laos, Vietnã e Myanmar (antiga Birmânia) ainda se intitulam socialistas, e em todos os casos são governados por juntas militares, não respeitam direitos civis, liberdade de imprensa e, com exceção da China, vivem ainda no século XX.

  • “transformar a Venezuela em uma potência mundial”. “Estamos acelerando a marcha para a construção de uma Venezuela socialista, uma potência no continente americano, uma potência no mundo”
  • Em que universo paralelo ele pretende isso? Ele está conseguindo o impossível. Em sua busca por se igualar a Fidel Castro, ele está transformando a Venezuela em uma “ilha continental”. EUA, México, Peru, Uruguai e Espanha já foram.
    A falta de leite (e de muitos outros produtos básicos) que tem assolado a Venezuela nos últimos tempos é resultado da política econômica de Chávez, que obriga os empresários venezuelanos a venderem os produtos a um preço estipulado pelo governo – e que há anos que não é atualizado, sob pena de fechamento e expropriação das instalações industriais e comerciais. Dado que os produtores e as entidades comerciais não podem vender a preços inferiores ao custo, os produtos desaparecem do mercado e os industriais e comerciantes são acusados de boicote à revolução. Esta situação não é nova e tem sido resolvida à força com os petro-dólares: o governo compra (trigo, leite, frango, etc.) no exterior e depois revende estes produtos através da sua própria rede de supermercados (Mercal), a preços exorbitantemente subsidiados, demonstrando assim que, afinal, os produtos nacionais não eram vendidos aos preços estipulados porque os “burgueses oligarcas” não queriam, “obviamente” implicados em grandes conspirações para derrubar o governo, orquestradas pela CIA. Com este procedimento já se comprou trigo da Argentina e carne do Brasil.
    Nessa tendência, a Venezuela vai ter que exportar todo o seu petróleo para o Irã e a Bolívia. Ops, o Irã e a Bolívia também produzem petróleo…. Será que esse gênio já pensou nisso? De que adianta vender, se não existir quem compre? Já sei… Ele vai doar para os países pobres? 🙂 Acho que não….

    Qual será o resultado, na sua opinião? Na minha, o SIM vence de forma esmagadora. Inclusive, nem precisaria de plebiscito algum para isso. Cabe destacar que não há observadores internacionais na Venezuela. Nem a Organização dos Estados Americanos (OEA), nem a União Européia (UE) foram convidadas pelo governo venezuelano para observar o referendo constitucional. Portanto, o mundo não terá muitos dados à disposição sobre os procedimentos eleitorais, não somente no dia da votação, mas também no momento da contagem dos votos. Todos saberão apenas no dia do resultado, e informado por Chávez, é claro. Mesmo que a vitória, se é que podemos chamar assim, das “reformas” (ou diria Atos Institucionais, disso nós brasileiros entendemos bem) venha a ser a vontade da maioria, o processo pela qual foi obtida nunca será válido. Acredito que a pergunta no plebiscito deveria ser
    “Você quer enterrar de vez o pouco de democracia que resta na Venezuela?
    ( ) SIM ( ) NÃO.

    Article Tags:
    Article Categories:
    América Latina

    Leave a Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *